Moda plus size: um segmento a ser explorado

Roupas plus size


Mais da metade da população brasileira adulta está acima do peso. E dessa parcela, 17,9% estão obesas, segundo dados da pesquisa Vigital (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico). Essas pessoas demandam por roupas de tamanhos grandes e aquecem um nicho de mercado em expansão: o de moda plus size.

A procura por roupas desse tipo tem crescido e atualmente existem poucas empresas atuando no ramo, podendo se tornar uma possibilidade de negócio, especialmente para micro e pequenas empresas.

De acordo com pesquisa do Sebrae, 17,7% das lojas do varejo da moda do Brasil vendem roupas em tamanho grande, sendo que apenas 3,5% são especializadas em moda plus size. Segundo o estudo, 71% das pessoas que usam tamanho GG têm dificuldades para encontrar roupas nas lojas e 86% delas se dizem insatisfeitas com as opções de roupas para manequins grandes.

A pesquisa mostra também que a maioria do público tem dificuldades de comprar vestido de festa (59%), calças (56%) e lingerie (49%). Além disso, a maior parte compra roupas mensalmente (38%) em lojas de departamento, em sua maioria (52%).

Apesar dos números apontarem um nicho de mercado a ser explorado, os interessados devem ficar atentos, pois atuar nesse segmento exige uma compreensão sobre o público, suas necessidades, anseios, percepções e comportamentos. São pessoas que procuram não apenas uma roupa que atenda ao seu manequim, mas conforto por meio da costura, do corte, do tecido, sem deixar de lado a beleza da peça.

Você também pode segmentar ainda mais esse público e trabalhar com produtos direcionados, por exemplo: jovem, feminino, masculino, infantil, casual, festa, fitness, moda praia etc.

Se você se interessou pelo assunto e pretende atuar no mercado plus size, confira algumas dicas importantes:

Faça um plano de negócios

Elabore um plano de negócios para compreender a demanda em sua região, quem são seus clientes, concorrentes, fornecedores e quais as chances de sucesso do empreendimento.

Seja diferente

Para alcançar seu público-alvo, busque diferenciais. Apesar do número de empresas relacionadas a este segmento ser menor, é importante atrair e fidelizar seus clientes. Ofereça vantagens e benefícios exclusivos e tenha em mente que a moda plus size não deve ter o objetivo de disfarçar o excesso de peso, mas valorizar partes do corpo e ser confortável. Que tal ter à disposição um personal stylist?

Invista na moda

Aposte em peças com rendas, brilhos, cores e modelos que estão na moda. Fique atento às tendências para garantir que suas peças caminhem na mesma direção. Assine revistas especializadas, acesse blogs e sites de referência, busque estar sempre informado sobre o assunto. Cada vez mais bem resolvidas, mulheres desse nicho querem peças com mais charme.

Treine seus vendedores

Conhecer o produto ou serviço oferecido e saber lidar com clientes são atitudes fundamentais. Lembre-se que, mesmo quando um cliente vai até seu estabelecimento somente para olhar alguma promoção, o bom atendimento pode fazer a diferença para uma compra efetiva acontecer no momento ou futuramente e ainda indicar a empresa para outros clientes.

Se você se interessou pelo tema, pode dar uma olhada em outras informações no Papo de Negócios. Lá você encontrará outras dicas voltadas para a moda plus size.

Mas lembre-se: mesmo com um nicho de mercado em expansão e diversas informações sobre o segmento, é importante fazer um planejamento antes de iniciar o negócio. Contrate uma consultoria; busque outras informações em livros e fontes confiáveis; faça capacitações presenciais e online; busque instituições de apoio às empresas. Planeje-se, busque conhecimento e tire sua ideia do papel.


Já leu nosso último post “6 Dicas para vender mais em tempos de crise”?
Confira aqui.

6 dicas para vender mais em tempos de crise

pexels-photo-95425


Basta passar pelos centros da cidade e até mesmo shoppings para perceber que o movimento dentro das lojas caiu. Neste tempo de recessão econômica, as vendas no comércio têm diminuído.

Segundo dados divulgados no início do mês pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as vendas do comércio varejista do país fecharam o mês de maio com queda de 1% na comparação com abril, na série ajustada sazonalmente. O volume de vendas acumula, nas series sem ajustes sazonais, retração de 7,3% nos cinco primeiros meses de 2016.

As pessoas não têm mais comprado como faziam antes. As compras têm sido cada vez mais seletivas, de acordo com as necessidades ou oportunidades. Itens supérfluos, que envolvam lazer, por exemplo, e até mesmo alimentação sofreram alguns cortes, sendo consumidos com mais racionalidade.

O consumidor compra quando há necessidade e mesmo assim, tem pesquisado bastante antes de efetuar a compra. A combinação do aumento dos preços, alta de juros e a percepção de que os salários não acompanham a inflação reduziu a intenção das famílias em contrair novas dívidas, o que afeta diretamente o poder de compra.

Sendo assim, é fundamental que você se planeje para colher bons resultados na sua empresa. Lembre-se que cada cliente é único e o atendimento deve ser personalizado.

Para ajudar a aumentar as vendas, preparamos algumas dicas que podem ajudar neste momento:

1. Ofereça promoções

Palavra mágica que atrai os consumidores. Pode ser um frete mais barato ou desconto em produtos ou serviços específicos. O importante é mostrar ao cliente que ele está sendo beneficiado;

2. Escute seu cliente 

Procure abrir cada vez mais o canal de comunicação entre sua empresa e o cliente. Escute o que ele deseja, suas reclamações, sugestões e elogios. E após, trace um plano de ação para pôr em prática as melhorias sugeridas;

3. Treinamento de equipe

Se você tem um pequeno negócio, não será tão difícil deixar sua equipe bem preparada para atender. Conhecer o produto ou serviço oferecido e saber lidar com clientes são atitudes fundamentais. Lembre-se que, mesmo quando um cliente vai até seu estabelecimento somente para olhar alguma promoção, o bom atendimento pode fazer a diferença para uma compra efetiva acontecer no momento ou futuramente e ainda indicar a empresa para outros clientes;

4. Fique de olho na concorrência

Seja no concorrente similar ou maior que você, que fornece um serviço ou produto igual ou semelhante ao da sua empresa, fique atento para saber como está o mercado e quais as necessidades e desejos do cliente você tem mais chances de atender. Mas lembre-se sempre de ser fiel aos seus valores e aos do seu negócio;

5. Faça propagandas na internet

Promova postagens na página ou perfil da empresa nas redes sociais e, se possível, realize pequenos investimentos, como anúncios pagos. As redes sociais têm sido importantes aliadas na divulgação de produtos e serviços, com grandes alcances a preços baixos;

6. Não tenha medo de inovar sempre que possível

 Mesmo que sua empresa trabalhe com um produto ou serviço de sucesso, sempre existe a possibilidade de inovar e atender outras expectativas, desejos e números. E quando se trata de datas comemorativas, inovar pode ser um diferencial para se destacar.

E se você deseja aumentar as vendas e quer receber mais dicas para isso, os cursos e eBooks do Sebrae ES são algumas das ferramentas que podem te auxiliar nessa empreitada. Além de gratuitos e diversificados, estão disponíveis na internet como: “Vendas Externas: Planejamento e Vendas”, “Como Vender Mais e Melhor”, “Vendas Internas: é no Balcão que se Vendeentre outros.

Busque, pesquise e aplique as técnicas de vendas e relacionamento com o cliente. Com dedicação, persistência e atitude, o sucesso de sua empresa deixará de ser um sonho e se tornará real. Bom trabalho!


Já leu nosso último post “Startups: boas opções em tempos de crise?”?  Confira aqui.

Startups: boas opções em tempos de crise?

pexels-photo-large

Em tempos de crise, é preciso redobrar a atenção quando o assunto é iniciar um negócio. Perceber a movimentação do mercado pode ser o diferencial entre o fracasso e o sucesso.

Hoje em dia, uma das principais tendências são as startups. Isso porque, entre as características que as diferem dos negócios tradicionais, uma das que mais se destacam é o potencial de crescimento em relação ao investimento inicial desse tipo de negócio. Ou seja, o aporte financeiro é geralmente baixo, com boas possibilidades de lucro.

Quando a startup dá certo e o empreendedor tem paciência e possibilidade de esperar alguns anos pelo resultado, com um investimento pequeno é possível crescer bastante.

Então, se por um lado, os desafios no cenário econômico têm prejudicado muitos negócios tradicionais, eles também abrem oportunidades para avaliar as necessidades do consumidor e trabalhar no desenvolvimento ou investimento de novas ideias de negócio. Basta ter atenção ao momento, criatividade e disposição.

Claro que, antes de tomar qualquer decisão, é preciso que você avalie seu perfil de investimento. Se você é uma pessoa conservadora, que não está disposta a assumir riscos, talvez seja melhor pensar em algo mais tradicional. Isso porque as condições nesse modelo de negócio são de extrema incerteza. Ou seja, nunca se sabe se a ideia será um sucesso ou não.

Além dos aspectos que já citamos, confira outros que definem uma startup:

  1. O modelo tem que ser inovador;
  2. O negócio é enxuto;
  3. É repetível, ou seja, capaz de entregar o mesmo produto em escala potencialmente ilimitada, sem muitas customizações por cliente;
  4. É escalável, conseguindo crescer sem que isso influencie no modelo de negócios, ou seja, é possível aumentar a receita sem que os custos aumentem proporcionalmente.

Agora que conhece um pouco melhor o tema, está decidido a investir em uma startup? Saiba que, assim como acontece em um modelo tradicional, é fundamental, em primeiro lugar, um aprofundamento nos aspectos do negócio. Assim, será possível ter certeza de sua decisão e estar preparado para conduzir a empresa nos diferentes cenários que possam se apresentar.

Confira as dicas:

  • Escolha uma área com a qual tenha afinidade;
  • Observe se a ideia é capaz de gerar resultados financeiros;
  • Aspectos como faturamento, margem de lucro e estimativa de vendas devem ser analisados desde o início;
  • Analise se há espaço no mercado para essa ideia e se ela está sendo lançada no timing certo, ou seja, não está defasada;
  • Caso esteja investindo na ideia de outra pessoa, conheça bem esse empreendedor e analise se ele possui as características necessárias para fazer a empresa prosperar;
  • Confira as estratégias que o empreendedor planeja para que a ideia seja lançada e aceita no mercado;
  • Procure se informar sobre empreendedores mais experientes, que já atuaram em mais de um negócio ou startup;
  • Envolva-se na parte estratégica, colaborando com sugestões;
  • Elabore ou observe o plano de negócios da startup e troque ideias com outros empreendedores e investidores;
  • Busque mentores que já fazem o que você planeja fazer, e que sejam bem sucedidos na área em que deseja atuar.

 


Já leu nosso último post “Plano de Negócios. Comece pelo caminho certo”? Confira aqui.

Plano de negócios. Comece no caminho certo.

Plano de negócio

Não importa qual a motivação para abrir uma empresa: sonho, oportunidade, crise econômica ou necessidade. Para se tornar um empresário e buscar o sucesso é fundamental fazer um plano de negócios.

O melhor instrumento para traçar um retrato do mercado, do produto e das atitudes do empreendedor é esta ferramenta: Plano de Negócios.

Ele será o mapa de percurso, vai te orientar na busca de informações detalhadas sobre o segmento, os produtos e os serviços a serem oferecidos, bem como possíveis clientes, concorrentes, fornecedores e, principalmente, sobre oportunidades e desafios, contribuindo para a identificação da viabilidade da ideia e na gestão da empresa.

É importante que você pense no plano de negócios como uma ferramenta de auxílio no processo de planejamento e não como uma obrigação. Só há razão de se planejar algo caso esteja claro aonde você quer chegar, ou seja, qual é o seu objetivo.

Ao final, essa ferramenta te ajudará a responder os seguintes questionamentos: “vale a pena abrir, manter ou ampliar o meu negócio?”.  O documento gerado é que uma espécie de roteiro a ser seguido para se conseguir trilhar o sucesso. Teoricamente simples, mas extremamente importante para os bons resultados.

Lembre-se o plano é individual, deve ser elaborado para cada empresa, em função das necessidades específicas de cada negócio. E um questionamento importante: quanto custa?

 Existem diversas empresas e consultores que realizam este tipo de trabalho. O valor não é alto, comparado ao trabalho a ser realizado, uma vez que o consultor empresarial irá analisar o mercado, fazer uma pesquisa ampla e calcular os resultados do futuro negócio usando todo o seu conhecimento e experiência para tal. O Sebrae, por exemplo, oferece este serviço para os empreendedores de pequenos negócios, com valores subsidiados, ficando mais barato que os valores de mercado.


Já leu nosso último post “5 Dicas para abrir uma franquia”? Confira aqui.

5 Dicas para abrir uma franquia

Aberto - blog

Uma pesquisa* divulgada este ano mostra que a taxa de empreendedorismo no Brasil é a maior em 14 anos. Isso significa que quatro em cada dez brasileiros adultos já possuem um negócio ou estão envolvidos com a criação de uma empresa.

O alto índice de desemprego é um dos motivos que tem levado as pessoas a abrirem seus próprios negócios. Ao receber o Fundo de Garantia, muitos veem no empreendedorismo a oportunidade de ter sua renda novamente.

E ao pensar em ser o próprio patrão, muitos têm optado em abrir uma franquia. Segundo a ABF – Associação Brasileira de Franquias, esse mercado vem crescendo de forma consistente nos últimos anos e tem se mostrado uma boa alternativa para quem quer abrir o próprio negócio. Essa é uma estratégia de mercado para aqueles que desejam iniciar um novo projeto já com bases mais consolidadas, aplicações testadas e certo reconhecimento pelo público-alvo.

Isso porque as franquias representam um modelo de negócio testado, com um registro histórico dos resultados das operações anteriores. Com base nisso, você pode analisar os dados passados e fazer projeções, diminuindo suas incertezas. As franqueadoras oferecem um vasto material para que você esteja minimamente preparado para empreender.

Mesmo com essas orientações e acompanhamento do franqueador, para que o negócio dê certo você precisará se dedicar a trabalhar bastante. Comprar uma franquia não tirará de você as responsabilidades sobre a gestão da sua empresa. Será necessário gerir pessoas, manter sua contabilidade em dia, calcular e correr riscos, aceitar decepções, tomar decisões gerenciais, participar do dia a dia da operação, muitas vezes consumindo finais de semana ou longas jornadas de trabalho.

Ao adquirir uma franquia você se tornará um franqueado, ou seja, passará a deter o direito de uso de uma marca já estabelecida, por meio de licença e contrato concedidos pelo franqueador (aquele que desenvolveu no negócio transformado em franquia).

Mas com uma oferta de franquias cada vez maior, qual seria a franquia certa para você empreender? Antes de escolher é preciso pensar em alguns pontos muito importantes nessa decisão. Confira:

Afinidade

Não basta escolher aquelas mais lucrativas ou “top”, é preciso analisar se você tem afinidade com o produto ou serviço que será comercializado. Algumas franquias chegam a permitir que o franqueado faça uma espécie de test drive, experimentando o dia a dia da operação antes de assinar o contrato.

Viabilidade econômico-financeira

Também é importante analisar a viabilidade econômico-financeira do negócio, calculando o valor disponível e o tempo de retorno indicado pelo franqueador, sem esquecer-se de considerar como vai se manter financeiramente até que possa fazer retiradas da empresa.

Investimento inicial

O risco de se gastar mais do que havia sido planejado é uma possibilidade em qualquer empreendimento, por esta razão é preciso levar em conta: o investimento inicial informado pelo franqueador; o tempo previsto para que a empresa atinja o ponto de equilíbrio operacional; o capital de giro para  que a empresa tenha recursos para pagar seus compromissos, mantendo um bom nível de atendimento aos clientes; além de uma reserva de capital para se sustentar enquanto não puder fazer retiradas da empresa sem o risco de deixá-la descapitalizada.

Localização

Também é necessário verificar o local onde será instalada a franquia. É preciso verificar se não há impedimento legal para a abertura do negócio pretendido no local desejado, além de averiguar se o franqueador permite a instalação de uma unidade no local selecionado. Na elaboração do plano de expansão da franquia as empresas franqueadoras estimam o número de unidades que serão abertas por município, definindo o território exclusivo de atuação de cada uma delas.

Oportunidades

Se você pretende investir em uma franquia, saiba que você tem mais de duas mil oportunidades de negócio nos mais variados segmentos para escolher aquela que mais se aproxima de seu perfil.

No site http://www.portaldofranchising.com.br/ você pode pesquisar as franquias que são associadas à ABF, buscando por nome da empresa ou por valor de investimento.

Para se preparar ainda mais antes de adquirir uma franquia, você pode baixar o aplicativo “Quero uma Franquia”, da ABF, e aprender os passos essenciais para analisar e escolher uma franquia. A ferramenta desafia o seu conhecimento em relação ao universo das franquias, com elementos de gamificação, tornando o aprendizado mais fácil.

*Pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor), patrocinada pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), realizada no Brasil entre os meses de setembro e novembro de 2015 e entrevistou duas mil pessoas entre 18 e 64 anos de todas as regiões do país, e 74 especialistas em empreendedorismo.


Já leu nosso último post “9 Dicas para ter uma empresa sustentável”? Confira aqui.

9 Dicas para ter uma empresa sustentável

pexels-photo-51415-medium_jpeg

No dia 5 de junho comemora-se o Dia do Meio Ambiente. O tema é tão importante que mais que um dia, ele tem sido celebrado durante uma semana inteira. E os empreendedores mais atentos já sabem que esse tema também precisa ser trabalhado dentro da sua empresa e buscar um negócio sustentável é bom para todos, pois se torna economicamente viável, socialmente justo e ambientalmente correto.

As práticas sustentáveis têm se tornado também um importante instrumento de competitividade, pois você pode conseguir ampliar seu lucro, diminuindo custos. Além disso, conscientes sobre a importância da sustentabilidade, os clientes também têm observado e dado preferência a empresas que adotam atitudes sustentáveis em seus negócios.

E ao contrário do que você talvez possa pensar, a tarefa pode ser menos complicada do que parece e é viável até mesmo para as micro e pequenas empresas. Praticar a sustentabilidade na empresa reduz custos e pode torná-la mais competitiva no mercado.

As ações podem ser das mais simples, como a reutilização de folhas de papel, uso de documentos descartados como folhas de rascunho e utilização de equipamentos em modo econômico; até atitudes mais complexas, como a criação de programas e projetos de causas ambientais, como projetos sociais, que beneficiam moradores do entorno da empresa.

Como reduzir o consumo de energia?

1- Não deixe aparelhos eletroeletrônicos em standy by: desligue ou desconecte a tomada de equipamentos, quando não estiver utilizando-os;

2- Substitua lâmpadas incandescentes por lâmpadas econômicas fluorescentes: com isso você economiza, em média, 60% no consumo;

3- Desligue o monitor do computador quando não estiver em uso: a proteção de tela é responsável por até 80% do consumo de energia do computador;

Confira outras dicas para reduzir o consumo de energia na sua empresa.

Como reduzir o consumo de água?

4- Faça a captação e o aproveitamento da água da chuva: use a água captada para manutenção dos ambientes e jardins, por exemplo;

5- Troque as antigas descargas com válvulas por descargas acoplados com caixa: as descargas com válvulas gastam entre 10 a 30 litros de água, enquanto a acopladas consomem apenas 6 litros de água a cada vez que são acionadas;

6 – Instale torneiras de baixo consumo de água;

Confira outras dicas para reduzir o consumo de água na sua empresa.

Como reduzir a geração de resíduos sólidos?

7 – Diminua o uso de descartáveis: copos, garrafas, sacolas, talheres, pratos, guardanapos, etc.  Sempre que possível, substitua-os por objetos duráveis;

8 – Destine corretamente os resíduos sólidos de sua empresa: procure a prefeitura ou empresa/cooperativa que colete ou receba resíduos.

9- Reaproveite os papéis das embalagens enviadas pelo correio: utilize menos isopor ou plásticos ao enviar seus produtos via correio. Use papéis rasgados no preenchimento dos cantos vazios das caixas, por exemplo.

Confira outras dicas para reduzir a geração de resíduos sólidos na sua empresa.

Se você é Microempreendedor Individual, saiba que há um material feito especialmente para você, com um passo a passo de como incluir este tema na rotina da sua empresa. Baixe agora mesmo a cartilha Primeiros Passos para a Sustentabilidade nos Negócios.


Já leu nosso último post “7 Dicas para lucrar mais com datas comemorativas”? Confira aqui.

7 Dicas para Lucrar Mais com Datas Comemorativas

christmas-xmas-gifts-presents

O ano tem 365 dias e, dentro destes, diversos recebem uma atenção especial por serem datas especiais. Dia das Mães, dos Pais, dos Namorados, das Crianças e Natal são as datas comemorativas que mais movimentam o comércio, fazendo com que as vendas aumentem.

Com o mercado cada vez mais competitivo é preciso que você fique atento às oportunidades e coloque a criatividade em ação para atrair clientes, principalmente com as proximidades das datas comemorativas, que por si só já levam as pessoas às compras.

É preciso ficar atento também a algumas datas que não possuem um dia específico, mas podem ser aproveitadas com promoções, vitrines enfeitadas e outros atrativos.

A volta às aulas, por exemplo, é uma oportunidade para lojas de materiais escolares e calçados; a Copa do Mundo deve ser bem aproveitada por lojas de materiais esportivos; as estações do ano podem ser lembradas por lojas de roupas; além de datas comemorativas voltadas especificamente para profissões, que podem ser exploradas com criatividade.

Conhecer bem os clientes, se antecipar às suas necessidades, preparar o estoque e atender bem são algumas das orientações básicas. Porém, há mais algumas dicas que podem ser úteis para ajudar a atrair os clientes:

Planejamento

É primordial que o empreendedor se planeje com antecedência para obter um bom resultado. Para fazer uma ação de sucesso você precisa verificar se há produção suficiente, se o preço é competitivo, negociar com fornecedores, preparar sua logística e definir estratégias de divulgação, entre outras tarefas (não adianta querer fazer tudo em cima da hora!). Uma ferramenta gratuita que pode te ajudar a organizar essas tarefas é o Trello.

Vitrine 

Aproveite esses momentos para mudar e personalizar a vitrine e a fachada. Algumas datas já possuem suas características próprias, que facilitam a decoração, como Páscoa, festa junina, Halloween e Natal. Coloque a criatividade em jogo, tomando cuidado apenas com os excessos.

Horário

Para atender àqueles que saem do trabalho mais tarde ou mesmo a quem deixa os presentes para a última hora, pode valer a pena estender o período de funcionamento do estabelecimento.

Kits promocionais

Fazer um combinado de presentes a preços promocionais pode ajudar a vender mais, especialmente para quem ainda não sabe bem o que quer. Essa também pode ser uma boa saída para eliminar alguns produtos que estão no estoque.

Vale-presente

Também é uma boa opção para o cliente que ainda não decidiu o que levar. É uma oportunidade até mesmo de fazer novas vendas quando o cliente aparece para usar o vale que ganhou. Grandes empresas que já trabalham com vale-presente: Lojas Americanas, Riachuelo, Netshoes e Saraiva.

Mídias sociais

Elas vieram para ficar, então, por que não utilizar essas ferramentas baratas e poderosas de acesso ao público? Um post bem feito, relacionado à data comemorativa, pode gerar interações, compartilhamentos e, consequentemente, a divulgação da marca. Se a sua empresa está presente em diferentes mídias sociais, como Facebook, Twitter e LinkedIn, por exemplo, um boa dica é gerenciar todas elas através de uma mesma ferramenta (que é gratuita), o Hootsuite.

Treinamento

É importante orientar os atendentes para que eles abordem os clientes de maneira correta, sendo educados e atenciosos. Eles devem conhecer bem os artigos à venda, suas características e preços. Além de tudo, conversar com os clientes para compreender suas necessidades. Uma forma gratuita e que pode ser feita sem sair de casa são os cursos à distância, oferecidos por diversas instituições brasileiras e estrangeiras, como o EAD Sebrae.


Já leu nosso último post “Inspire-se com Histórias de Empreendedores que Deram Certo”: confira aqui.

Inpire-se com histórias de empreendedores que deram certo


Happy

Ter um negócio de sucesso é o sonho de muitas pessoas, porém conquistá-lo não é tão simples. Requer planejamento, dedicação, atitude, capacitação. Não existe uma receita única que possa ser seguida por todos e que terá um resultado semelhante, mas algumas dicas podem ser aproveitadas para aumentar as chances de acerto no mundo dos negócios.

Cada empreendedor de sucesso tem uma história, problemas que enfrentou, dificuldades que precisou superar e obstáculos que foram driblados. Por meio de histórias de sucesso, é possível se inspirar, aprender com as experiência e até mesmo diminuir as chances de erro.

Em 2015 foi ao ar a websérie “Sebrae Empreendedores”, que contou 10 histórias de empreendedores de sucesso, narrando suas experiências e o que fizeram para alcançar os seus resultados.

Estas histórias estão compartilhadas no Facebook e no Youtube do Sebrae/ES. São empresários de diversos segmentos, como padaria, marcenaria, indústria de cosméticos, lanchonete, entre outros.

É o caso de Cristina Pascoli Tongo, da empresa Café Caramello. No vídeo ela explica que seu produto nasceu de uma receita que caseira de cappuccino, que não deu certo, e com mais alguns ingredientes, acabou virando um produto inovador. Com muita persistência, comprometimento e dedicação, a empresária conseguiu enfrentar as dificuldades e atualmente a empresa já possui diversas franquias espalhadas por vários estados brasileiros, além de estudo para exportação.

Este ano foi lançada a websérie “Sebrae Up”, com histórias de empresários que criaram aplicativos e ferramentas diversas, apoiados pelo programa Sebrae Up, de aceleração de startups. Como é o caso do empresário Frederico Esteves, que buscou uma solução para o problema da falta de atendimento médico que a população enfrenta. Assim nasceu a PagSaúde, uma ferramenta que oferece acesso a consultas e exames médicos de maneira rápida e econômica.

E agora, em maio, a websérie “Sebrae Empreendedores” está de volta! São diversas novas histórias de sucesso vividas por empresários que tiveram um sonho, acreditaram nele e colocaram suas ideias em prática, enfrentando todos os desafios.

Que tal conhecer essas histórias, se inspirar e também escrever a sua no mundo do empreendedorismo? Acesse o Facebook ou o Youtube, assista aos vídeos já postados e acompanhe a nova série que vai ao ar quinzenalmente, sempre às segundas-feiras.


Já leu nosso último post “Conheça os 7 pecados do atendimento”? Confira aqui!

 

Conheça os sete pecados do atendimento

Seven

Oferecer um bom atendimento é uma das chaves para o sucesso do negócio, pois o cliente é parte fundamental em qualquer relação de consumo. O empresário precisa perceber que o cliente poderia procurar outra empresa, outra marca, outro produto, mas por algum motivo, lhe deu preferência. Nesse momento é importante dispensar toda atenção possível e atender da melhor forma, para conquistar e manter este cliente.

O consumidor nunca deve sair da empresa com a impressão de que foi mal atendido. Isso porque as pessoas tendem a contar suas experiências e quando são negativas, a tendência é que isso seja ainda mais compartilhado, gerando uma divulgação muito grande.

Para que a empresa seja referência em bom atendimento é fundamental que este seja um valor conhecido por todos os funcionários, pois não adianta apenas o empresário ter esse pensamento ou um cliente ser bem atendido na hora da venda e se frustrar no caixa, por exemplo.

A satisfação do cliente está diretamente relacionada ao bom atendimento. Porém, às vezes, o cliente é pego de surpresa por algum dos sete pecados do atendimento. Veja quais são e fique atento para não cometê-los:

  1. Desinteresse: Ocorre quando os funcionários de uma empresa não demonstram que se importam com o cliente. Muitos se sentem frustrados por não receberem ajuda quando precisam e percebem que há um desinteresse pela opinião do cliente.
  2. Frieza: O cliente é tratado de forma distante e até desagradável. É perceptível quando o atendimento é feito de forma fria, gerando uma grande insatisfação por parte do cliente.
  3. Sufocamento: Alguns funcionários parecem querer ajudar tanto que acabam pecando pelo excesso. Ficar perguntando o tempo todo, falar que está bonito sem ter sido perguntado ou falar que tem uma peça linda podem incomodar o cliente. O ideal é se colocar à disposição e ficar atento a qualquer solicitação.
  4. Informações demais: Antes mesmo de o cliente terminar de falar, ou explicar o que quer, o funcionário interfere e começa a dar respostas para perguntas que não foram feitas obrigando o cliente a ouvir soluções que não lhe interessam. Este tipo de profissional faz do conhecimento técnico uma arma e gosta de ostentar capacidade querendo mostrar que entende do assunto, às vezes, até inibindo o cliente.
  5. Robotismo: O funcionário deixa de agir como uma pessoa e passa a agir de forma mecânica, repetindo sempre a mesma coisa, da mesma maneira, com os mesmos movimentos.
  6. Demasiado apego às normas: Acontece com o funcionário inflexível, que diz: “sinto muito, mas não podemos fugir das regras”. Nesse caso, é importante que o empresário oriente seus funcionários, explicando sobre a importância de atender o cliente da melhor forma possível, com o objetivo de agradar os clientes.
  7. Jogo de responsabilidade: A síndrome do “vai-para-lá-e-vem-para-cá”. Há pessoas que, para se livrarem do cliente, mandam-no de um lugar para outro, sem resolver seu problema. Os funcionários precisam aprender a abraçar a responsabilidade e apresentar as soluções para os clientes, que não querem e muitas vezes não entendem quais as responsabilidades de cada um, ele simplesmente quer ver seu problema resolvido, independente de quem o fizer.

Muitas vezes, esses pecados de atendimento acontecem de forma inconsciente. São uma espécie de “armadilha” em que o atendente “cai” sem perceber. É importante ficar todo o tempo concentrado no atendimento para evitar esses pecados.

É importante prestar mais atenção ainda nos dias em que problemas pessoais ou questões motivacionais possam afetar o desempenho do seu atendimento, pois são nesses dias que essas “armadilhas” podem acontecer com maior frequência.


Confira nosso último post sobre “Como está o desempenho do seu e-commerce?” aqui.

Como está o desempenho do seu e-commerce?

photo-1431605695381-f4a9c3cdd150 (1)

O e-commerce tem sido uma alternativa muito utilizada pelos clientes que pretendem economizar. Além de oferecer preços mais baixos e comodidade, este canal de vendas funciona 24 horas por dia e chega às residências de quase todo o Brasil e até mesmo do mundo. Para os empresários, o mercado online abre uma janela de oportunidades, mas o caminho a ser percorrido até o sucesso não é tão simples.

Este canal funciona como uma metrópole, onde encontramos grandes magazines, lojas de médio e pequeno porte, em meio a uma constante disputa, em busca da atenção dos consumidores. Se destacar no mercado online não é uma tarefa fácil e exige planejamento, comprometimento e ação.

Para auxiliar os empresários, o Sebrae realizou uma análise de fatores-chave de sucesso no e-commerce. Esses fatores correspondem aos itens mais sensíveis ao sucesso ou fracassos de um varejo online.

Entre tantos temas de gestão e mercado que existem foi constatado a importância de observar alguns considerados mais críticos. São eles: Segmentação, Promoção, Marketing de Relacionamento, Mobilidade, Tempo de Carregamento; Otimização de buscas; Preço; Prazo; Métricas e Comunicação Visual.

Segmentação: No e-commerce, como em outras áreas dos negócios online, ter um conhecimento profundo do público-alvo que se deseja atingir é essencial para diversos aspectos da operação como a definição do mix de produtos oferecidos e também na estratégia de marketing online a ser adotada.

Promoção: É fundamental ter um bom planejamento para conseguir promover o seu negócio em meio à concorrência tão grande, já que a concorrência do e-commerce abrange o mundo inteiro.

Marketing de Relacionamento:  Atrair, manter e aumentar o relacionamento com os clientes é um diferencial que pode melhorar o posicionamento corporativo das empresas frente aos diversos nichos e segmentos.

Mobilidade: Cada vez mais as pessoas acessam a internet de smartphones e tablets, sendo fundamental garantir a mobilidade do e-commerce. Novos formatos de venda baseados na localização e na facilidade da informação propiciam agilidade na tomada de decisão e na concretização dos negócios.

Tempo de carregamento: Mundo virtual é sinônimo de velocidade. Quem acessa a internet quer agilidade na navegação e na busca por informação. A lentidão pode gerar frustração no cliente virtual que busca justamente praticidade nas compras online.

Otimização de buscas: Pensar em uma loja virtual de sucesso sem um bom posicionamento nas páginas de respostas dos grandes buscadores é algo difícil, afinal sites de buscas são muitas vezes o primeiro porto de escala para qualquer consumidor online.

Preço: Uma das grandes dificuldades em um e-commerce é saber se posicionar em relação ao preço. As variáveis frete, custos operacionais e de produto ganham novos personagens, como custo da plataforma e-commerce, marketing digital e disponibilidade do produto e demanda.

Prazo: A logística representa um grande desafio para todo e-commerce, independente do seu tamanho. O relacionamento com seu cliente vai enfraquecer caso você deixe de entregar o pedido, não entregue no prazo ou faça o envio errado do produto ou demore para atender na logística reversa.

Métricas: As métricas de desempenho são dados que ajudam a medir e determinar o sucesso de um e-commerce, como a taxa de conversão, número de visitas e tempo médio de acesso, por exemplo.

Comunicação Visual: Ao contrário do que muitos empreendedores imaginam, a comunicação visual de uma loja virtual vai além de aparência e estética. A estruturação do layout, as ferramentas de navegação, usabilidade e as formas de apresentação dos produtos da loja definirão toda a experiência visual do usuário, que deve ser favorável a venda dos produtos, além de ter um peso considerável na demonstração de credibilidade da marca para o cliente.

Dez fatores-chave de sucesso no e-commerce

Se você já possui um e-commerce, que tal receber, gratuitamente, um relatório personalizado sobre o desempenho da sua loja virtual levando em consideração esses 10 fatores-chaves identificados pelo Sebrae?

Para isso, basta responder um questionário de 10 perguntas de múltipla escolha para conhecer a sua performance em cada um desses fatores e receber o relatório personalizado. Acesse http://www.sebraemercados.com.br/e-commerce/ e confira!


Já leu nosso último post ‘Você é empreendedor’? Confira aqui!